Notícias

Variedade de milho “dispensa” fertilizantes ao fixar nitrogênio do ar

A espécie de milho foi descoberta no México, cresce em solos quase desprovidos de nutriente e pode atingir quase 5 m de altura

Foto: Alan Bennett

O pesquisador Alan Bennett, da Universidade Davis, na Califórnia descobriu uma espécie de milho capaz de fixar o nitrogênio do ar e reduzir em 82% a necessidade do fertilizante.

A planta estava sendo cultivada pelo povo Mixe, no México, e a principio, aponta para a possibilidade de uma verdadeira revolução na agricultura. O caso foi apresentado durante o Congresso Aapresid 2021, no início de agosto, na Argentina.

O milho é o grão mais produzido no planeta com cerca de 800 milhões de toneladas e um dos alimentos básicos mais importantes para as pessoas e os animais.

Conhecido como o “grão de ouro”, o cereal tem no nitrogênio sua principal necessidade para crescer. No entanto, os nitrogenados químicos são responsáveis por até 3% de toda a emissão de CO2 no mundo.

No congresso, o cientista explicou da importância do nitrogênio (N) para as plantas. Segundo ele, embora o nitrogênio constitua 78% da atmosfera, apenas as leguminosas eram conhecidas por terem a capacidade de usá-lo.

Características

A espécie foi descoberta na Serra de Oaxaca, no centro do México e cresce em solos quase desprovidos do nutriente.

Planta tem raízes aéreas com um muco que faz a fixação do nutriente – Foto: Alan Bennett

Além disso, a variedade pode atingir quase 5 metros de altura e suas raízes aéreas captam o nitrogênio do ar.

“Essa variedade tem raízes aéreas com muco onde vive uma comunidade de bactérias que ajuda a planta a obter nitrogênio da atmosfera”, explicou o pesquisador em entrevista à BBC.

Em contrapartida, o plantio dessa variedade em grande escala não é viável por ser grande demais e levar muito tempo para crescer.

Por outro lado, o pesquisador acredita que a partir da descoberta, é possível usar o mecanismo de fixação em outras variedades.

Conforme o cientista, o processo pode ocorrer por hibridização, ou seja, inserir esta característica genética em outros milhos. Porém, está ciente de que pode ​​ser um processo longo e tem seus riscos.

Patente comunitária

Caso esse mecanismo de fixação possa ser inserido em outras variedades de milho e pudesse ser comercializado, eles o fariam com base no Protocolo de Nagoya.

De acordo com esse acordo internacional, a comunidade que cultiva o milho também se beneficiaria economicamente com sua comercialização.

“A ideia é que esse material seja da comunidade Sierra Mixe, que está nos permitindo investigar”, explica o pesquisador.

Comentários

Quer ficar por dentro de todas as notícias? Entre no nosso grupo do whatsapp: