Notícias

Sistema Erva 20 inspira programa de fomento em Mallet

Conforme a secretária de agricultura, Margareth Maksemovicz, o objetivo é oferecer aporte inicial de mudas de erva-mate, em parceria com o IAT e dar assistência técnica e assessoria em projetos para obtenção de crédito para investimentos na produção local de erva-mate

Foto: José Fernando Ogura

 

Com tecnologias e recomendações compiladas sobre como plantar, controlar pragas, doenças e plantas daninhas, realizar adubação e podas, o sistema de produção Erva 20, lançado pela Embrapa Florestas há três anos, vem gerando resultados cada vez mais concretos.

 

“O sistema não é fruto do trabalho de uma pessoa só, mas de diversas pesquisas conduzidas pela Embrapa Florestas e parceiros em mais de 30 anos, o que demonstra que o trabalho em parceria traz frutos importantes às cadeias produtivas”, avalia Ives Goulart, engenheiro agrônomo e analista da Embrapa Florestas.

 

Estima-se que, atualmente, cerca de 1.200 produtores já adotam o Erva 20, porém esse número pode ser muito maior, segundo Goulart. Só o manual do Sistema Erva 20 já foi distribuído para mais de 17.000 pessoas, somando-se as versões impressa e digital. O sistema, inclusive, tem servido de inspiração e estímulo para o fomento de políticas públicas em municípios paranaenses, como o recém lançado em Mallet.

 

Apesar de já haver muito conhecimento para elevar a produção nos ervais, esta cultura ainda preserva alguns preceitos de sua origem extrativista, que se baseia na colheita da erva-mate em florestas naturais, sem reposição nutricional ou adoção de tecnologias de cultivo. A baixa adoção tecnológica é, inclusive, um forte entrave para o crescimento do setor ervateiro, cuja produtividade média tem sido em torno de 7.700 kg/ha. O baixo desempenho desestimula ainda mais a busca por melhorias, e ocorre, principalmente, entre os pequenos produtores, para os quais a erva-mate tem significado uma importante fonte de renda.

 

Com o intuito de fomentar o cultivo da erva-mate, no início de março, durante o 2º Encontro Regional da Erva-mate, em Mallet, pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do município, foi lançado um programa para estimular a produção local da erva-mate. Localizada no centro-sul do estado, a 200 km de Curitiba, Mallet se situa no maior polo de produção de erva-mate paranaense.

 

Inspiração

 

De acordo com Margareth Maksemovicz, secretária de agricultura e abastecimento de Mallet, o programa foi inspirado nas recomendações do Sistema Erva 20. “A ideia do programa de fomento à erva-mate em Mallet nasceu após assistirmos a uma palestra sobre o Sistema, com um técnico da Embrapa Florestas, em Irati”, conta. Além disso, Maksemovicz é engenheira agrônoma de formação e, por isso mesmo, está ciente da importância do uso de tecnologias e do manejo correto nos ervais, como em qualquer cultura comercial.

 

Segundo a secretária, o programa visa oferecer um aporte inicial de mudas de erva-mate, em parceria com o Instituto Água e Terra (IAT), além de assistência técnica aos produtores cadastrados e assessoria em projetos para obtenção de cartas de crédito voltadas para investimentos na produção.

 

O programa ainda não foi oficialmente publicado, pois a listagem de produtores interessados está em finalização, como informou a secretária. Com o pontapé inicial do poder público e a depender do engajamento e investimento de cada produtor, com o programa, “espera-se que, em curto prazo, a produtividade dos ervais aumente em 20%, e a médio e longo prazo, em até 70%”, prevê a secretária de agricultura.

 

Mallet tem uma produção de 5.200 toneladas anuais, por hectare (PEVS e PAM-IBGE, 2020). Estima-se que três mil produtores trabalhem com a erva-mate em suas propriedades, segundo os dados do Cadastro de Produtores Rurais – CAD/PRO. “Nosso objetivo é capacitar o produtor rural para ele buscar novas técnicas, pois ela é o quarto produto de maior arrecadação do município (R$ 7 milhões). Sabemos da potencialidade que o município tem na questão da produtividade”, diz.

 

 

Propagando conhecimento

 

Um dos grandes parceiros neste trabalho de divulgação das tecnologias e recomendações do Erva 20 tem sido o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR). Encontros regionais, como o ocorrido em Mallet em março deste ano na Ervateira Sokolowski, têm atraído produtores de várias regiões. Neste segundo evento, promovido pela indústria da família na região, em parceria com o IDR, Prefeitura de Mallet e Embrapa Florestas, compareceram 160 pessoas, de 23 municípios.

 

De acordo com Juliano de Lima Souza, engenheiro agrônomo, extensionista do IDR em Mallet e organizador do evento, o Sistema Erva 20 tem sido um importante aliado para qualificar os produtores de erva-mate da região. “Pouco tempo atrás, os produtores não investiam na cultura, não adotavam práticas como calagem, adubação e isso causava uma produtividade muito baixa por área. As informações do Erva 20 vêm para profissionalizar o produtor e deixar a atividade mais atrativa”, afirma.

 

Alvim Sokolowski, produtor e sócio da ervateira, diz que a família trabalha com a cultura há 22 anos, e assume já ter cometido muitos erros com os ervais. Mas, garante que muitos destes erros ficaram para trás, graças ao empenho da família em investir em conhecimento e se atualizar. A ervateira Sokolowski recebe uma média de 100 toneladas de matéria-prima por semana, advinda de cerca de mil produtores. Portanto, receber um produto de qualidade dos fornecedores do entorno é algo essencial para o sucesso dos negócios.

 

“A produtividade dos nossos ervais aumentou bastante desde a adoção das tecnologias, algo que ocorreu há cerca de oito anos. Após a adoção do Sistema Erva 20 nosso conhecimento aumentou mais e, por isso, objetivamos, com o evento, propagar aos produtores tudo isso que o Sistema traz, pois tem muita gente que ainda vive naquele modo antigo de extrativismo, considera a planta como nativa e acha que não precisa de cuidados especiais, como nutrição, por exemplo”, enfatiza Alvim Sokolowski.

 

Um dos produtores que estiveram neste evento foi o Marcos Kamikoga, de Ponta Grossa. Este é o terceiro evento sobre o tema do qual participa e considera fundamental conhecer o que há de tecnologia para melhoria da produção. Além de pecuária de corte, Kamikoga planta soja e, há três anos, vem cultivando a erva-mate no sistema sombreado, como forma de incrementar as plantas nativas que encontrou na propriedade.

 

“Ao me aposentar, decidi tocar a propriedade de uma maneira mais tecnificada e busquei um curso sobre erva-mate. Além de informações no Senar, tive acesso ao Erva 20, e comecei a ler e aprender e, qualquer dúvida, eu ia no Manual. A primeira coisa que busquei foi adquirir mudas de linhagens selecionadas, e também faço calagem, adubação orgânica e química e plantio de cobertura vegetal com amendoim forrageiro, principalmente. Hoje, a área para plantio está estagnada e a gente tem que se aprofundar cada vez mais, para aumentar a nossa produtividade. Eventos como este são um estímulo para o produtor familiar. Tenho 10 mil plantas de erva-mate e quero chegar a 15 mil esse ano, pois, mesmo estando distante da região produtora, acho que vai valer a pena”, diz, otimista.

 

O Sistema Erva 20

 

Em 2019, a Embrapa iniciou o projeto intitulado “Disponibilização e inserção de tecnologias do Sistema Erva 20 e prospecção de fatores limitantes à adoção tecnológica no setor ervateiro”, cujo objetivo era realizar a transferência das tecnologias para produção de erva-mate.

 

“Estas foram compiladas e geraram o Sistema Erva 20 e dentre as atividades do projeto, estavam diversas ações de transferência de tecnologia realizadas em parcerias institucionais, como cursos presenciais e a distância, palestras, divulgações na mídia, a criação dos aplicativos, entre outros. O projeto encerrou em fevereiro de 2022, e a sensação é de ter atingido o objetivo com sucesso”, conta Ives Goulart, um dos autores da publicação, juntamente com o analista aposentado da Embrapa Florestas Joel Ferreira Penteado Júnior.

 

Desde 2019, quando a Embrapa lançou o Sistema Erva 20, este vem sendo divulgado por meio de palestras e cursos em várias cidades do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. A Embrapa também oferece gratuitamente o Manual do Sistema Erva 20, que apresenta o passo a passo para plantar, manejar e colher e, assim, estabelecer um erval com capacidade de alcançar seu potencial produtivo, mantendo a qualidade da matéria-prima e a sustentabilidade ambiental.

 

“Com o Manual, qualquer profissional pode trabalhar com o Erva 20, como já existem alguns consultores no mercado que o utilizam. Isso nos traz satisfação, ao saber que o Erva 20 gera negócios, riquezas e melhora a produtividade da erva-mate nas propriedades”, diz Goulart.

 

 

 

***Embrapa Florestas com edição

Comentários

Quer ficar por dentro de todas as notícias? Entre no nosso grupo do whatsapp: