Notícias

Publicação do IBGE mostra elevado potencial natural para a agricultura no país

Quase um terço da área do território nacional apresenta boa ou muito boa potencialidade ao desenvolvimento agrícola

 

 

O IBGE divulgou hoje (5) o Mapa de Potencialidade Agrícola Natural das Terras do Brasil, publicação inédita que busca classificar, interpretar e visualizar o potencial natural dos solos para a agricultura. O dia foi escolhido por ser o Dia Mundial do Solo, implementado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Este ano, a data tem como tema “Solos: onde a alimentação começa”.

 

Além da importância do dia, Daniel Pontoni, analista da pesquisa, ressalta a posição do Brasil como um dos maiores produtores de alimentos do mundo para demonstrar a importância da publicação. “Tentar entender melhor o potencial agrícola do solo do Brasil e suas limitações, fazendo uma análise não indicativa de uso, mas interpretativa do solo e do relevo”, explica.

 

O mapa orientativo foi elaborado a partir do mapeamento de solos do IBGE, levando em consideração os recursos naturais, sobretudo solo e relevo, e como eles podem favorecer o setor agrícola brasileiro. Os mais de 500 tipos de solos do Brasil foram classificados considerando características como textura, pedregosidade, rochosidade, erodibilidade, entre outros, em cinco classes de potencialidade variando de terras com muito boa potencialidade a terras com restrições muito fortes ao desenvolvimento agrícola.

 

 

O estudo revelou que 32% da área do território nacional apresenta boa (30%) ou muito boa (2%) potencialidade ao desenvolvimento agrícola. “Significa que, sob o ponto de vista do recurso natural, como caraterísticas e tipos de solo associado ao relevo, essas áreas favorecem a agricultura, resultado que demonstra o elevado potencial para a agricultura do país”, diz Pontoni.

 

Outros 33% do território apresentam moderada potencialidade ao desenvolvimento agrícola. “Abrange relevos ligeiramente acidentados, que podem precisar de ações adequadas para a agricultura, como no caso de solos menos profundos e principalmente com problemas de fertilidade, mas que são relativamente fáceis de serem corrigidos”, explica Pontoni.

 

 

Por outro lado, as áreas com restrições significativas ao desenvolvimento da agricultura correspondem a 21% do território. Pontoni afirma que estes são locais dominantemente com relevos mais acidentados, com problemas de fertilidade e mecanização e restrições importantes quanto à profundidade. “Essas precisam de ações relativamente mais complexas de manejo agrícola, e teriam uma agricultura especializada adaptada a esses tipos de ambiente”, complementa.

 

Já a última classificação é de áreas com restrições muito fortes ao uso agrícola, que somam 11% do país. Isso porque são locais principalmente em superfícies com declividade muito acentuada e/ou, presença de sais solúveis indesejáveis e/ou restrições importantes quanto à profundidade. Para plantar nessas áreas são necessárias ações muito significativas e intensivas e, em alguns locais, essas terras poderiam ser indicadas como áreas de preservação ou conservação em função da fragilidade do ambiente. “São locais onde a agricultura pode levar à degradação”, explica o analista da pesquisa.

 

“Devido à escala do mapeamento a nível regional, é importante ressaltar que esse mapa não se aplica a estudos locais de uso agrícola, que exigem maior detalhamento no levantamento de solos, consequentemente exigem mais informações. Além disso, áreas que possuem algum enquadramento ou atribuição legal devem ser respeitadas de acordo com as leis estabelecidas”, conclui Daniel Pontoni

 

 

*AGÊNCIA IBGE

Comentários

Quer ficar por dentro de todas as notícias? Entre no nosso grupo do whatsapp: