Notícias

Produção de trigo no Paraná deve registrar aumento de 22% em relação ano passado

Segundo relatório do Deral 64% das lavouras estão em boas condições, 28% em situação média e 8% ruins

Foto: pixabay

O mercado brasileiro de trigo apresenta viés altista, apesar da iminência do ingresso de safra no Paraná, maior produtor nacional. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, os preços reagem a uma quebra expressiva na produção do milho, podendo provocar crescimento da demanda pelo trigo.

“Vale destacar ainda, que mesmo com perdas pelas geadas, o Brasil tem facilmente potencial para produção acima dos 7 milhões de toneladas, sendo volume bastante expressivo, que tende a pressionar os preços em um primeiro momento de sua entrada no mercado. Por outro lado, há pouca disponibilidade de trigo na Argentina, que sofreu perdas significativas nesta última temporada devido à seca, havendo poucos excedentes no momento. No Paraguai as estimativas indicavam um potencial de produção acima de 1 milhão de toneladas, contudo, perdas pelas geadas podem reduzir as produtividades, favorecendo o cenário de alta nos preços do Mercosul, minimizando a pressão de oferta do ingresso de safra no Brasil”, disse o analista.

 

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que 64% das lavouras estão em boas condições, 28% em situação média e 8% ruins. As alterações se devem aos efeitos das geadas ocorridas na semana passada, quando as lavouras se dividiam entre boas condições (90%), médias condições (8%) e ruins (2%). A área cultivada deve ficar em 1,193 milhão de hectares, contra 1,136 milhão de hectares em 2019, alta de 5%.

Segundo o Deral, as lavouras se dividem entre as fases de crescimento vegetativo (58%), floração (40%) e frutificação (2%). Na semana passada, as lavouras estavam em (72%), desenvolvimento vegetativo (27%) e floração (1%).

A safra 2021 de trigo do Paraná deve registrar uma produção de 3,897 milhões de toneladas, 22% acima das 3,190 milhões de toneladas colhidas na temporada 2020. A produtividade média é estimada em 3.276 quilos por hectare, acima dos 2.824 quilos por hectare registrados na temporada 2020.

 

Rio Grande do Sul

A semana iniciada em 26 de julho teve chuvas na maior parte das regiões do Rio Grande do Sul, seguidas por forte onda de frio que derrubou as temperaturas e provocou geada em vários dias consecutivos. Em algumas localidades, ocorreu neve no dia 28. Em geral, nas lavouras de trigo em desenvolvimento vegetativo não houve maiores impactos, em virtude de as plantas serem tolerantes às baixas temperaturas. Com o retorno da umidade dos solos, os produtores deram continuidade aos tratos culturais.

Até o dia 5 de agosto, 4% das lavouras gaúchas estão em floração e 96% em germinação ou desenvolvimento vegetativo. O desenvolvimento está em linha com a média dos últimos anos.

 

Argentina

O plantio de trigo atinge 99,7% da área, estimada em 6,5 milhões de hectares. Os trabalhos avançaram 0,7 ponto percentual na semana e estão 1,4 ponto percentual adiantados em relação ao ano passado. Em números absolutos, foram semeados 6,483 milhões de hectares.


As informações são da Agências Safaras.

Comentários

Quer ficar por dentro de todas as notícias? Entre no nosso grupo do whatsapp: