Notícias

Poliniza Paraná está entre os três primeiros classificados de premiação nacional

Projeto está entre os finalistas do Prêmio A3P, do Programa Agenda Ambiental na Administração Pública, do Ministério do Meio Ambiente

Foto: Denis Ferreira Netto/SEDEST

 

O projeto Poliniza Paraná, desenvolvido pela Secretaria estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest), está entre os três primeiros classificados do 9º Prêmio A3P, do Programa Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P), do Ministério do Meio Ambiente. A solenidade de anúncio da conquista do projeto paranaense no 1º, 2º ou 3º lugar será em Brasília até o final do ano.

 

O Poliniza Paraná foi selecionado entre outros 15 projetos que estavam disputando a vaga de finalista em cinco categorias. Ele entrou na categoria Uso/Manejo Sustentável dos Recursos Naturais. O projeto foi lançado em janeiro deste ano, com o objetivo de promover a conservação da biodiversidade por meio do importante papel da polinização das abelhas nativas sem ferrão.

 

O 9º Prêmio A3P visa reconhecer o mérito de iniciativas de organizações da administração pública do país na promoção e realização de melhores práticas de sustentabilidade. Os projetos inscritos foram classificados dentro de cinco categorias: Gestão de Resíduos; Uso/Manejo Sustentável dos Recursos Naturais; Inovação na Gestão Pública; Destaque da Rede A3P; e Categoria Especial: Combate à Poluição nas Águas.

 

A análise dos projetos levou em conta fatores como a contribuição para a sustentabilidade; estímulo para a implementação de iniciativas inovadoras de gestão socioambiental que contribuam para a melhoria do ambiente organizacional e do meio ambiente; compartilhamento de informações que sirvam de inspiração ou referência para iniciativas de outras instituições; motivação das instituições que possuem compromisso com a implementação da A3P; e atração de novas organizações públicas a aderirem ao Programa e às boas práticas de sustentabilidade.

 

PARQUES URBANOS

 

Toda a ação do Poliniza Paraná também envolve a comunidade local no cuidado com o jardim (espaço com as colmeias instaladas) e na promoção da educação ambiental com estudantes. Com isso, as cidades contempladas com os Parques Urbanos (espaços com problemas de erosão que ganham obras de revitalização por parte do Governo do Estado) podem aderir ao projeto e instalar colmeias.

 

Desde o início do ano, sete Parques Urbanos já contam com as colmeias instaladas e outras 54 devem ser colocadas após a finalização de obras. O secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Everton Souza, disse que o projeto foi pensado a partir de uma carta de estudantes do ensino fundamental do município de São João, no Sudoeste, enviada ao ex-secretário da pasta, solicitando o cuidado com as abelhas.

 

“Entregamos o Parque Urbano de uma maneira integrada com o Poliniza Paraná. São ações que protegem as abelhas e respeitam esse serviço ambiental que elas oferecem para a natureza, que é o da polinização”, disse. Ele destacou, ainda, que com esse pedido buscou-se uma alternativa, que foi encontrada junto à Prefeitura de Curitiba, no projeto Jardins de Mel.

 

POLINIZA PARANÁ

 

Seguindo a expertise dos Jardins de Mel da Prefeitura de Curitiba, o Paraná, por meio da Sedest, em parceria com o Instituto Água e Terra (IAT), ampliou a produção de abelhas nativas sem ferrão para outras cidades do Estado. A expectativa é que os jardins sejam construídos também fora dos Parques Urbanos, a fim de atender todos os municípios interessados.

 

O projeto foi criado dentro do Programa Paraná Mais Verde e, segundo o diretor de Políticas Ambientais da Sedest, Rafael Andreguetto, oferece benefícios ambientais, além de sociais. “Entre os objetivos também estão o de reintroduzir polinizadores nativos em seus locais de origem, pois muitos se encontram ameaçados de extinção, além de despertar na sociedade a consciência ecossistêmica e a compreensão do funcionamento harmonioso da natureza”, disse.

 

As espécies indicadas para implantação das colmeias são: Guaraipo, Jataí, Mandaçaia, Mirim, Manduri, Iraí e Tubuna. Através da polinização, elas contribuem para a manutenção de áreas de importância ambiental como UCs, APPs e Parques Urbanos, garantindo qualidade de frutos, sementes e variabilidade genética de espécies.

 

A polinização feita pelas abelhas, de espécies de interesse comercial, garantem maior qualidade e produtividade de frutos e grãos. O Poliniza Paraná é, também, um dos meios de se alcançar as metas definidas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), principalmente relacionado ao Objetivo 15 – Vida Terrestre.

 

 

*AEN-PR

Comentários

Quer ficar por dentro de todas as notícias? Entre no nosso grupo do whatsapp: