Notícias

Nota Técnica avalia possíveis impactos das geadas sobre a agricultura do Paraná

Dados do Simepar indicam que uma forte massa de ar polar ingressa no Paraná e indica que há previsão de ocorrência de geadas de terça-feira até sexta-feira em todo o Estado

O IDR-Paraná ( Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná –  (IDR-Paraná)Iapar-Emater) informa sobre os impactos  que a geadas, previstas para os próximos dias, podem causar sobre a agricultura do estado.

Dados do Simepar indicam que uma forte massa de ar polar ingressa no Paraná e indica que há previsão de ocorrência de geadas de terça-feira até sexta-feira em todo o Estado, exceto no litoral.

A geada provoca alterações no metabolismo das plantas. As superfícies vegetais afetadas pela geada tornam-se claras ou amarronzadas em função da ruptura da parede celular, causada pelos cristais de gelo que são formados de maneira repentina, extravasando o conteúdo celular.

Milho segunda safra
Segundo o último relatório do Departamento de Economia Rural da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Paraná (DERAL/SEAB) de 21/06/2021, apenas 1% da área apresentava-se colhida, sendo que as demais lavouras estavam em floração (14%), frutificação (61%) e maturação (24%). Assim, é esperado que aproximadamente 25% do milho segunda safra, em estádio fenológico mais adiantado (maturação), sofra leves danos causados pela geada, enquanto que aproximadamente75% da área cultivada, que se encontra em estádios fenológicos mais sensíveis à geada, tenha perdas significativas de produtividade.

É importante salientar que o fenômeno da geada é frequente no Estado do Paraná e particularmente neste ano agrícola 2020/2021, com o atraso na colheita da soja em decorrência das condições climáticas adversas, o cultivo de milho segunda safra também está atrasado e mais suscetível aos danos causados pelo frio.

Café
Especificamente para a região cafeeira paranaense (Norte e Noroeste), há previsão de ocorrência de geadas fracas nesta terça-feira (29) e geadas de intensidades moderadas a fortes na quarta-feira (30) e quinta-feira (01). Como medidas protetoras, recomenda-se o enterrio de mudas de café de até 6 meses de idade no campo e cobertura/aquecimento dos viveiros. Para cafeeiros de 6 meses a 2 anos deve ser feito o achegamento de terra junto ao tronco para a proteção da geada de canela.

Cereais de Inverno
As geadas previstas para esta semana não devem causar grandes prejuízos para as lavouras dos cereais de inverno (trigo e aveia granífera), pois nesta safra de 2021 as semeaduras foram realizadas tardiamente e a maioria das lavouras está no estádio de perfilhamento ou recém semeadas, e nestas condições, resistem mais aos efeitos do frio intenso. Somente cultivares bem precoces e que estejam em fase de emborrachamento ou emergência das espigas podem ter danos com as baixas temperaturas.

Feijão
Com relação à cultura do feijão, atualmente está sendo cultivada a terceira safra, conhecida também como safra de outono-inverno. Segundo o DERAL/SEAB, a terceira safra de feijão ocupa uma área de aproximadamente 2 mil há, distribuída nas regiões Norte e Noroeste. A principal região produtora de feijão de outono-inverno está localizada na bacia do Rio Paranapanema, a qual tende a ser menos afetada pela geada. Já as lavouras de feijão das regiões de Umuarama, Maringá e Paranavaí, principalmente aquelas localizadas em áreas mais baixas, podem ser significativamente afetadas com perdas de produtividade.

Hortaliças
Para as culturas olerícolas, os impactos ocorrem principalmente para as espécies folhosas devido à alta sensibilidade. A cobertura dos canteiros, bem como a irrigação por aspersão, durante as noites com previsão de ocorrência de geada são as práticas de manejo preventivas recomendadas.

Nota Técnica elaborada por: Pablo Ricardo Nitsche, Heverly Morais, José dos Santos Neto, Ivan Bordin, Edivan José Possamai e Carlos Roberto Riede (site IDR/PR)

Comentários

Quer ficar por dentro de todas as notícias? Entre no nosso grupo do whatsapp: