Notícias

Governo quer fortalecer os Conselhos Municipais do setor agropecuário

Essa é uma estratégia para intensificar as ações de sanidade agropecuária, principalmente devido ao reconhecimento internacional do Paraná, como área livre de febre aftosa sem vacinação

 

O Governo do Paraná lidera uma iniciativa para promover a integração e o fortalecimento dos Conselhos Municipais do setor agropecuário. Essa é uma estratégia para intensificar as ações de sanidade agropecuária, principalmente devido ao reconhecimento internacional do Paraná, em maio deste ano, como área livre de febre aftosa sem vacinação.

A certificação concedida pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), que possibilita a abertura de novos mercados internacionais para a proteína animal paranaense, trouxe também novos desafios: é preciso ter ainda mais rigor na qualidade e sanidade dos produtos agropecuários comercializados pelo Paraná.

Com a integração entre governo estadual, municípios e setor produtivo em Conselhos Municipais, será possível mobilizar a comunidade para o cadastro de propriedades, o inventário das populações animais – por meio da campanha de atualização cadastral – e o controle de trânsito de animais. “A conquista do reconhecimento pela OIE é resultado de uma luta de mais de 50 anos do Governo do Estado, municípios e setor produtivo, que leva a nossa produção da agropecuária a outro patamar. O Paraná fez sua lição de casa e precisa continuar trabalhando para manter esse status”, diz o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

Maior produtor e exportador de proteína animal do País, com liderança em avicultura e piscicultura, o Paraná se beneficia da certificação com a abertura de mercados para a proteína animal, com a possibilidade de comercialização a países que pagam melhor pelo produto.

HISTÓRICO

 A imunização contra a aftosa no Paraná foi substituída em 2019 pela campanha de atualização de rebanhos, que ajuda a garantir a rastreabilidade e a sanidade dos animais. Em 2021, a campanha encerrou seu período regular com 88% das propriedades devidamente registradas.

Nos últimos anos, o Paraná protagonizou uma série de ações para o fortalecimento da defesa agropecuária. O diretor-presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Otamir César Martins, cita exemplos como a realização de fóruns regionais para debater o tema; a realização de um inquérito epidemiológico, provando que o vírus já não circula no Paraná, e a realização de concurso para contratação de 50 técnicos agropecuários e 30 médicos veterinários.

 “O diferencial competitivo da agropecuária paranaense deve-se, em grande parte, à consolidação do sistema sanitário do Estado. Este trabalho contou, em grande parte, com a efetiva participação dos municípios nos processos relativos à sanidade agropecuária. Esperamos mais uma vez contar com essa mobilização”, diz Martins.

Os Conselhos Municipais são espaços para que o poder público e a sociedade possam discutir, promover e formular, em conjunto, as diretrizes para as políticas públicas. “A atuação efetiva nesses espaços também vai ajudar nossos agentes de defesa agropecuária a agir rapidamente e de forma eficaz no controle de doenças, em conjunto com lideranças regionais e locais”, diz o coordenador das ações de Integração dos Conselhos e fiscal de defesa agropecuária da Adapar, Marcelo Silva.

CAPACITAÇÃO

Para o diretor-presidente do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), Natalino Avance de Souza, o momento é de somar esforços e reconhecer o poder de ação local e regional pelo desenvolvimento econômico do estado. “Uma das linhas de ação do Sistema é a orientação e capacitação de produtores sobre a sua responsabilidade na sanidade vegetal e animal de seu município”, explica.

Equipes regionais da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento, da Adapar e do IDR-Paraná estão produzindo um diagnóstico para colaborar com as ações e já iniciaram reuniões com prefeituras e lideranças regionais para incentivar a reativação dos Conselhos em alguns municípios. A meta é, até dezembro de 2022, ativar pelo menos um Conselho Municipal por Unidade Local de Sanidade Agropecuária – ULSA/Adapar.

Mais informações sobre o projeto podem ser acessadas diretamente com os gestores regionais do Sistema Estadual da Agricultura ou no site da Adapar.

Comentários

Quer ficar por dentro de todas as notícias? Entre no nosso grupo do whatsapp: