Notícias

Cooperativismo Paranaense Planeja Investir R$ 23 Bilhões até 2025

Após receita recorde de R$ 115,7 bilhões em 2020, setor prevê alta de 10% a 12% neste ano

Impulsionado pelos segmentos agropecuário, de crédito e de saúde, o faturamento das 217 cooperativas paranaenses cresceu 31,8% em 2020, para o recorde de R$ 115,7 bilhões, e ajudou o Estado a enfrentar o primeiro impacto da covid-19 sobre a economia local. A receita foi quase o dobro dos R$ 60,3 bilhões de 2015, em valores nominais, e para 2021 o setor estima alta de 10% a 12%, para quase R$ 130 bilhões, apesar dos limites à retomada da economia impostos pelo ritmo lento da vacinação contra a pandemia em todo o país. Os dados são da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), que indica ainda uma expansão de 57,3% no lucro de todo o setor – as chamadas “sobras” – em 2020 frente ao ano anterior, para R$ 5,95 bilhões.

Somente as 59 cooperativas agropecuárias do Paraná faturaram R$ 100,1 bilhões no ano passado, 37,8% a mais do que em 2019, e ampliaram em 62,5% o resultado líquido, para R$ 4,21 bilhões. O desempenho deveu-se à safra cheia, à forte demanda internacional pelas commodities agrícolas, sobretudo por parte da China, à alta nos preços das carnes, ao dólar valorizado e ao consumo doméstico favorecido pelo auxílio emergencial à população de baixa renda. “Foi um ano de conjugação de fatores que dificilmente se repetem”, avalia o superintendente da Ocepar, Robson Mafioletti.

Em 2021 as premissas não são tão favoráveis, mas ainda assim ele projeta um crescimento também entre 10% e 12% no faturamento do ramo agropecuário. Embora neste ano as cotações dos grãos sigam em alta e o câmbio, valorizado, a falta de chuva no verão e as geadas no inverno devem reduzir a produção agrícola do Estado em 6%, para 38,6 milhões de toneladas. Nas culturas de verão (soja e milho, principalmente), a queda deve ser de 9,6%, para 33,5 milhões de toneladas, conforme o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura do Estado.

Para 2025, a Ocepar mantém a projeção de R$ 200 bilhões em faturamento para todo o setor cooperativista. A previsão inclui os segmentos de crédito, que somava 56 organizações ativas e receita de R$ 7,8 bilhões no ano passado, com alta de 2% sobre 2019, e de saúde, com 37 operações e receitas de R$ 7 bilhões em 2020, ou 6,7% a mais do que no ano anterior. Além dessas, operam no Estado 65 cooperativas de transporte, infraestrutura, trabalho e consumo.

Foto: pixabay

Segundo Mafioletti, os investimentos planejados pelas cooperativas são o principal vetor de expansão do setor nos próximos anos. Em 2020, somaram R$ 3,5 bilhões, 61% a mais do que em 2019, e devem chegar perto de R$ 4 bilhões em 2021. Para o acumulado de 2021 a 2025, o valor pode alcançar cerca de R$ 23 bilhões em todos os segmentos, estima o executivo. Outro fator de crescimento é a extensão da base de cooperados em Estados próximos como Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Goiás, além do Paraguai, num movimento que se iniciou há duas décadas e se acentuou nos últimos anos.

Segundo a Ocepar, o volume de associados em todos os ramos do setor somou quase 2,5 milhões em 2020, 15% acima de 2019, enquanto o número de funcionários aumentou 9,8%, para 117,9 mil pessoas. As exportações também contribuem. De 2019 para 2020 os embarques de produtos agroindustriais avançaram de US$ 3,9 bilhões para quase US$ 4,5 bilhões e, convertidos pelo câmbio médio de cada ano, corresponderam a R$ 15,4 bilhões e a R$ 23,2 bilhões, respectivamente, em valores nominais. Para 2021 a previsão de Mafioletti é de alta de 10% em dólar, o que pelo câmbio médio até 31 de maio daria um total de R$ 27 bilhões no acumulado do ano.

Para o secretário da Agricultura do Estado, Norberto Ortigara, as cooperativas são essenciais para a economia paranaense pelo papel que cumprem na produção e na geração de emprego e renda. Na opinião dele, o futuro é “altamente promissor” para o setor, especialmente no ramo agropecuário depois que o Paraná obteve, em maio, status de zona livre de aftosa sem vacinação e poderá ter acesso a mercados que pagam mais, como Japão, Coreia do Sul e México. Entre as cooperativas de crédito, o crescimento deve-se ao foco no associado e ao fato de que, em geral, elas cobram tarifas inferiores às dos bancos comerciais ao mesmo tempo em que dispõem de todo o portfólio de produtos e serviços financeiros e apoiam o desenvolvimento das regiões onde atuam, entende o diretor executivo da Sicredi Campos Gerais, Márcio Zwierewicz. No ano passado o segmento apurou resultado líquido de R$ 1,17 bilhão, com alta de 23,1% sobre 2019.

Conforme a Ocepar, as cooperativas de crédito paranaenses encerraram 2020 com 2,25 milhões de associados, 14,6% acima do ano anterior e o equivalente a 90,7% dos cooperados de todos os segmentos, além de operações em praticamente todos os 399 municípios do Paraná. Com forte ligação com o setor agroindustrial, elas foram responsáveis pela liberação de 26,9% do crédito rural concedido no Plano Safra 2019-2020 no Estado, ante à média de 18,2% em todo o país. Com sede em Ponta Grossa, a Sicredi Campos Gerais tem 33 agências em 14 municípios do Paraná e do sul de São Paulo. Até o fim de 2022, no entanto, serão inaugurados mais sete pontos de atendimento em pelo menos duas novas cidades: Campina Grande do Sul (PR) e Peruíbe (SP). “Os bancos reduzem o número de agência e nós, aumentamos”, diz Zwierewicz.

Segundo o executivo, a cooperativa pretende chegar a 93 mil associados em dezembro. A estimativa é que o volume de recursos administrados alcance R$ 4,5 bilhões, contra R$ 3,27 bilhões em 2020, e a carteira de crédito evolua de R$ 2,12 bilhões para R$ 3 bilhões no mesmo período.


Texto produzido pela Revista Valor Econômico com informações da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar)

Comentários

Quer ficar por dentro de todas as notícias? Entre no nosso grupo do whatsapp: