Notícias

Mulheres representam um terço dos agricultores no Compra Direta

De cada três agricultores que participaram do Compra Direta Paraná em 2020, uma era mulher

De cada três agricultores que participaram do Compra Direta Paraná em 2020, uma era mulher. O programa foi um dos lançados pelo governo estadual para auxiliar na segurança alimentar e nutricional da população mais carente durante a pandemia do novo coronavírus. A presença de pelo menos metade de mulheres no quadro de agricultores dava ponto adicional à cooperativa ou associação no processo de contratação.

“Fico feliz ao ver grandes mulheres ocupando seus lugares na sociedade. Isso destaca nossa força, determinação e vontade de vencer. Fico contente em ver o empreendedorismo feminino ganhando força no Paraná”, afirmou a primeira-dama e presidente do Conselho de Ação Solidária, Luciana Saito Massa, como homenagem pelo Dia das Mulheres.

O Compra Direta adquire produtos alimentícios da agricultura familiar, que são entregues diretamente em instituições assistenciais. A agricultora Regiane Aparecida Moura da Silva, de São Jerônimo da Serra, na Região Norte, está nas duas pontas do projeto. Dona de uma pequena propriedade na zona rural da cidade, ela forneceu hortaliças folhosas (alface, rúcula, couve, entre outros), tomate e abobrinha.

A comercialização garantiu a manutenção do negócio e o sustento da família. Mas não parou por aí. Ela articulou a outra metade do negócio. Como presidente da Cooperativa da Agricultura Familiar de São Jerônimo da Serra (Coaf), fez com que o alimento comprado dos 140 sócios chegasse a quem precisava.

PROGRAMA – De acordo com a Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, em 2020 o Programa Compra Direta Paraná adquiriu 3.679 toneladas de alimentos, de 15.507 agricultores familiares. Desses, 5.096 são mulheres, representando uma fatia de 33% dos inscritos. O montante totalizou R$ 18.397.098,02.

Chefe do Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional (Desan) da pasta, Márcia Stolarski explicou que o projeto beneficiou 907 entidades que atendem a população mais vulnerabilizada do Estado, bem como os agricultores familiares de 147 associações/cooperativas da agricultura familiar. O atendimento atingiu cerca de 530 mil pessoas ao mesmo em que tempo que garantiu trabalho e renda para 15.507 agricultores.

“É apoio e renda para aqueles que produzem comida de verdade, o que ajuda a melhorar a imunidade e a saúde da população mais vulnerável do Estado”, afirmou Márcia.

INCENTIVO – Ela lembrou que o programa incentiva a participação das mulheres na agricultura familiar, dando prioridade na contratação às associações e cooperativas que apresentam pelo menos metade de mulheres em seu quadro de agricultores. Quem cumpre a meta ganha um ponto adicional na classificação. Em 2020, 24 cooperativas e associações, representando 16% das 147 contratadas, alcançaram esta condição.

“Apostamos nas mulheres, o que ajudou a fazer com que 90% dos agricultores pedissem a continuidade do programa em 2021, segundo pesquisa que realizamos recentemente”, ressaltou Márcia.

Segundo ela, uma nova chamada pública para aquisição de alimentos e atendimento do Compra Direta Paraná está sendo estruturada e deve ter início em até dois meses.

Fonte: Secretaria de Agricultura do Paraná

Comentários

Quer ficar por dentro de todas as notícias? Entre no nosso grupo do whatsapp: