Notícias

Colheita de milho atinge 79% da área total estimada no Paraná

Nesta segunda safra foi estimada uma área de 2,7 milhões de hectares

 

O Boletim da Conjuntura Agropecuária Paranaense da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab) desta semana traz informações sobre o milho no Estado.

 

A colheita da segunda safra de milho 21/2022 atingiu 79% da área total estimada de 2,7 milhões de hectares. Os trabalhos de campo estão adiantados comparativamente às últimas safras. Nos próximos dias, os trabalhos de colheita devem arrefecer-se devido às chuvas que estão acontecendo no Paraná.

 

Contudo, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), num primeiro momento, isso não deve gerar impactos negativos para a cultura. No campo, 98% da área a colher já se encontra em maturação e apenas 2% em frutificação.

 

MANDIOCA

 

Em relação à mandioca, apesar de um longo período de estiagem, as condições climáticas voltaram à normalidade nas principais regiões produtoras.

 

Na semana passada foram registradas chuvas principalmente nos Núcleos Regionais de Paranavaí e Umuarama, onde os trabalhos de campo já estavam prejudicados.

 

Nestes Núcleos, a falta de chuva estava dificultando a colheita e também o plantio da nova safra de 2022/2023, que normalmente se inicia a partir de junho.

 

Nas demais regiões do Estado, os trabalhos com o plantio deverão se concentrar nos meses de setembro e outubro.

 

A partir desta semana acredita-se na retomada pela colheita, podendo reduzir, momentaneamente, a dependência da mandioca que as indústrias paranaenses vêm adquirindo no Oeste de São Paulo e parte no Mato Grosso do Sul. Assim mesmo, segundo o CEPEA, as indústrias continuam trabalhando com uma ociosidade em torno de 60% da capacidade instalada.

 

Ainda de acordo com o Deral, os preços recebidos pelos produtores continuam se mantendo em alta. Em termos nominais, a variação passou de R$ 435,00/t de mandioca, em julho de 2021, para R$ 886,00/t, em julho de 2022, aumento de 104%. Na últimas emana, o produtor recebeu, em média, R$888,00/t de mandioca posta na indústria.

 

A fécula no atacado foi comercializada por R$126,00/sc de 25 kg e a farinha vendida a R$168,00/sc de 50 kg.

 

*Com informações do Deral

Comentários

Quer ficar por dentro de todas as notícias? Entre no nosso grupo do whatsapp: