Notícias

Agricultura digital é realidade no setor de hortifruti

O tema foi abordado na revista de setembro do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Esalq/USP

Foto: ilustrativa/FreePik

 

A intensificação da tecnologia da informação tem garantido melhorias na produção e práticas mais precisas, o que, por sua vez, resulta em diminuição de custo, em maior produtividade e em processos sustentáveis. A edição de setembro da revista Hortifruti Brasil, publicação do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, mostra que a agricultura digital já é realidade – e quem a utiliza tem vantagem competitiva. A equipe também avaliou os desafios e as oportunidades dessas tecnologias para o setor hortifrutícola.

 

A Agricultura Digital pode auxiliar na eficiência operacional na propriedade, na gestão e em outros fatores, como a sustentabilidade. No primeiro ponto, um exemplo é o uso de drones em substituição à pulverização tradicional ou por aeronaves. Isso já vem sendo usado no Vale do Ribeira (SP), região em que o uso da pulverização aérea é limitado. Inclusive, tecnologias para aplicação de defensivos são as que mais têm evoluído – estão à disposição do produtor equipamentos e sensores no trator para que se possa medir o fluxo da calda, regular a velocidade da máquina e a pressão do pulverizador.

 

A gestão da propriedade também pode avançar mais por meio da Agricultura Digital, à medida que algumas ferramentas facilitam a coleta e a análise de dados. Produtores têm à disposição softwares para obtenção de informações e planejamento das atividades, compra e venda de insumos, de produtos e da produção, previsão climática, estimativas de produção e/ou produtividade e detecção e/ou controle de pragas e plantas daninhas.

 

Também se verificam avanços visando a sustentabilidade, como a oferta de agrobiológicos para o controle fitossanitário da propriedade (biopesticida, bio-herbicida, bioinseticida e bionutrientes) – muitos destes produtos já estão à disposição do setor e outras opções estão em testes.

 

No setor de hortifrúti, uma inovação bastante conhecida e já difundida é o comércio eletrônico, mas a agricultura urbana, hortas verticais, mercado de créditos de carbono, fazendas produtoras de energia limpa, financiamento coletivo, entre outros, são novas opções já à disposição da cadeia.

 

Ainda que a Agricultura Digital possa promover diversas facilidades, agentes do setor de HF como um todo precisam mobilizar os setores acadêmico, de serviços, de produção/comércio e consultores a dedicarem mais esforços para que essa nova era avance mais rápido na cadeia.

 

Clique aqui para acessar a revista completa!

Comentários

Quer ficar por dentro de todas as notícias? Entre no nosso grupo do whatsapp: