Recuperação da PR-170 em Pinhão avança durante período de interdição

Os trabalhos de recuperação no km 467 da PR-170 em Pinhão, região Centro-Sul, estão avançando. De acordo com a Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR), autarquia da Secretaria de Infraestrutura e Logística (SEIL), já são 17 dias de interdição para execução da obra emergencial. O local sofreu vários escorregamentos de terra devido às fortes chuvas do final do ano passado. 

O bloqueio de tráfego foi necessário para realizar o serviço de implantação de uma chave granular no local, uma espécie de barreira física ao pé do terreno que sofreu rupturas pelas águas. Ela tem cerca de 12 metros de profundidade e 5 metros de largura na base, sendo preenchida com material rochoso e compactado.

A chave granular é uma solução para estabilizar o aterro da rodovia no ponto com escorregamentos, que tem extensão de cerca de 200 metros, onde também são realizados serviços de terraplenagem para escavar o solo em plataformas e taludes, e aterrá-lo com material rochoso.

Cerca de 2,5 quilômetros antes desse ponto, no km 464, ocorrem detonações em paredão rochoso, produzindo o material utilizado na recuperação da rodovia. Neste local, a pista vai ser rebaixada em cerca de 7 metros, refletindo as alterações, assim como modificando a geometria da PR-170.

A obra prevê ainda a pavimentação de ambos os locais, implantação de dispositivos de drenagem de águas, nova sinalização horizontal e vertical, e instalação de dispositivos de segurança rodoviária.

O investimento é de R$ 24.782.665,19, com prazo de execução de 180 dias, tendo iniciado em 18 de dezembro. Mas o trecho já deve ser liberado para o tráfego de veículo após mais 13 dias.

DESVIO

Durante esse período de interdição, veículos de passeio poderão manter o uso do desvio pela estrada municipal não pavimentada, no acesso para a Escola Municipal Nova Divinéia, que passa por vários pontos turísticos locais, até retornar à rodovia, próximo à Usina Hidrelétrica Governador Bento Munhoz da Rocha Netto.

Veículos pesados deverão utilizar como rota alternativa a BR-373, sentido Candói, ou a BR-153, sentido Rebouças. Sinalizações provisórias tanto em Pinhão quanto em Bituruna indicam a interdição do trecho.

*AEN-PR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *