Dia de Campo apresenta novas oportunidades para produtores de Irati

Produtores rurais de Irati participaram de um Dia de Campo promovido pela Prefeitura, através da Secretaria de Agropecuária, Abastecimento e Segurança Alimentar, no dia 16 de fevereiro. O foco foi a produção da Sericicultura, atividade que consiste na criação do bicho-da-seda para a produção de fio. 

Nesta edição, os produtores e técnicos visitaram a propriedade do produtor Ciro Wagner, localizada no Município de Santa Maria do Oeste, na região de Guarapuava. Ele é um dos precursores da atividade no Paraná. Além dos aproximadamente 38 produtores rurais de Irati e da região, também estiveram presentes representantes da empresa Bratac, referência no mercado de seda no Brasil.

Os participantes acompanharam uma roda de conversa sobre a produção orgânica e as vantagens de se produzir o bicho-da-seda. Segundo o secretário de Agropecuária, Abastecimento e Segurança Alimentar, Raimundo Gnatkowski, o evento foi muito produtivo e os produtores de Irati saíram motivados. “Foi um dia de muita troca de conhecimento, tivemos a oportunidade de conversar diretamente com técnicos e outros produtores e ver na prática como a Sericicultura funciona”, aponta.

O secretário ainda destacou o potencial da região para a produção dessa cultura em Irati. “Nós vimos com bons olhos, o clima necessário é semelhante ao encontrado no município, então as amoreiras onde o casulo é depositado vão se adaptar bem, inclusive os técnicos da Bratac já estão no município fazendo a análise de solo para o início do plantio para os produtores interessados”, aponta.

Conforme Raimundo, a empresa acompanhará os produtores desde o início do processo, fazendo a entrega e plantio das mudas de amora, e também na entrega dos casulos até a colheita. O processo de produção até a colheita é de 28 dias desde a entrega dos casulos. “A vantagem para o produtor é que além da assistência no plantio e produção, o pagamento é feito de imediato após a colheita” complementa.

Ciro Wagner, no ramo há mais de 26 anos, conta que o custo de investimento inicial é baixo e a rentabilidade é assegurada, pois a perda é muito pequena. “Estamos há mais de 26 anos na atividade, iniciamos de forma manual, hoje estamos mecanizados. Em todo o período tivemos pouca perda, pois o clima da região é propício e a assistência dos técnicos é constante”, destaca o produtor.

O cultivo do bicho-da-seda representa uma diversificação e uma nova opção de renda para a agricultura em Irati, além de ser um mercado em expansão no mundo. Atualmente a seda produzida no Brasil é consumida no mundo inteiro nos mais diversos mercados, sendo o estado do Paraná o maior produtor. Irati pode ser o precursor na região e abrir caminho para uma nova cultura.

*Secom Irati/Redação – Foto: Secom Irati 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *