Conheça a importância do manejo de entressafra

O manejo de entressafra é a oportunidade ideal para manejar o solo, controlar plantas daninhas, e gerar matéria orgânica de qualidade para a semeadura direta da próxima cultura. Esta estratégia torna a produção agrícola mais sustentável e rentável, e evita que a lavoura se torne área de pousio.

Além de impactar positivamente na produtividade da lavoura, o manejo de entressafra ajuda na redução de emissão de gases do efeito estufa (GEE) a partir do sequestro de carbono pelo solo.

O período em que o manejo de entressafra acontece no Brasil, começa após a colheita da cultura de verão, e estende-se até o inverno.

Durante a entressafra não há cultura instalada na área, o que torna as operações do campo muito mais fáceis. O uso de corretivos, inseticidas e herbicidas, por exemplo, se torna mais flexível por não haver risco de fitotoxicidade.

Manejo pós-colheita da cultura de verão

Tem como objetivo preparar a área para que a próxima cultura seja instalada no limpo, considerando pragas, doenças e plantas daninhas.

Esta prática é importante para que a rotação de culturas tenha sucesso no inverno. Além disso, o manejo assertivo pode otimizar investimentos e despesas no sistema produtivo como um todo.

Manejo de plantas daninhas resistentes ou de difícil controle

Sem cultura na lavoura, é possível rotacionar diferentes tipos de herbicidas com a finalidade de controlar as plantas daninhas resistentes.

Essa prática é impossibilitada durante a safra, porque alguns herbicidas necessários para o manejo de resistência de plantas daninhas não são seletivos à cultura do milho ou da soja.

Vale lembrar que é importante conhecer muito bem os produtos utilizados na entressafra e principalmente o seu período de carência. Dependendo do residual do herbicida, certas culturas não poderão ser cultivadas em sequência. Esse período deve ser rigorosamente respeitado para garantir a segurança da cultura.

Manejo de plantas tigueras

As plantas voluntárias, também conhecidas como tigueras, se desenvolvem a partir de sementes deixadas no solo após a colheita. As tigueras de soja ou de milho resultam em problema na entressafra, porque podem hospedar pragas e doenças.

Quando estas plantas são manejadas corretamente, o ciclo de desenvolvimento de insetos e patógenos é interrompido.

Assim, o benefício desta prática é a redução da pressão de pragas e doenças durante a safra de inverno ou próxima cultura de verão.

Rotação de culturas

A rotação de culturas na entressafra pode ser realizada com o objetivo de gerar renda, ou de melhorar as características químicas, físicas, biológicas e nutricionais do solo.

  • Rotação de culturas com finalidade comercial
    São priorizadas culturas que geram retorno financeiro para o agricultor. Geralmente são semeadas espécies que produzem grãos e cereais, ou massa verde que serve de alimento para animais.
  • Rotação com culturas de cobertura
    As culturas de cobertura são espécies que também podem gerar retorno financeiro para o agricultor, mas são selecionadas por outros critérios. Neste caso, as plantas escolhidas são aquelas que ajudam no manejo de nematoides e na descompactação do solo, e que não hospedam pragas e doenças.

Em ambos os casos, a rotação de culturas recobre o solo da lavoura, evitando que a área entre em pousio. Além disso, esta prática reduz o desenvolvimento de plantas daninhas e o banco de sementes na safra seguinte.

A rotação de culturas também incrementa a matéria orgânica de qualidade na lavoura, o que aumenta a retenção de água no solo e a disponibilidade de nutrientes para as plantas.

De modo geral, a rotação de culturas é indispensável quando a meta é realizar o bom manejo de entressafra.

O que acontece sem o manejo de entressafra?

As culturas intensivas, como milho, soja, cana-de-açúcar ou algodão, são exigentes em nutrientes, e muito suscetíveis ao ataque de pragas e doenças. Quando são cultivadas sucessivamente, sem que aconteça o manejo de entressafra, os impactos são diversos.

De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), não adotar o manejo de entressafra causa uma série de problemas ambientais, como:

  • Degradação dos solos, com compactação e erosão;
  • Poluição e assoreamento de mananciais hídricos;
  • Ataques mais severos de doenças e pragas na lavoura;
  • Aumento nos custos de produção;
  • Maior dependência do clima;
  • Maior dependência de insumos químicos;
  • Lavouras cada vez menos produtivas;
  • Aumento da pressão de plantas daninhas.

Além de todos estes fatores, a falta do manejo de entressafra causa redução do fornecimento de carbono para o solo, que por consequência, perde a qualidade e a capacidade produtiva.

*Agro Bayer com edição

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *