Primavera de 2023 foi bastante chuvosa e quente no Paraná

O trimestre da primavera meteorológica – setembro, outubro e novembro de 2023 – foi marcado por grandes variações atmosféricas, com recordes de temperatura e chuva nas diversas regiões do Paraná. Os acumulados de chuva superaram os 900,0 mm em diversos municípios durante a estação, principalmente no Sudoeste e Centro-Sul paranaense. Em Palmas, por exemplo, choveu 1246 mm neste período, uma média de 415,0 mm por mês (Figura 1).

Figura 1: Gráfico de acumulado de precipitação para os municípios que receberam volumes acima de 900 mm durante o trimestre setembro a novembro de 2023.

A média histórica de chuva foi superada em quase todo o estado. Os maiores volumes foram registrados na “metade” sul, superando os 600,0 mm de anomalia positiva em municípios do Sudoeste paranaense (Figura 2).

Figura 2: Mapa de anomalia de precipitação (mm) no Paraná para os meses de setembro a novembro de 2023.

Outubro foi o mês mais chuvoso do trimestre, com os acumulados superando as médias em todas as regiões. O Sudoeste e o Centro-Sul Paranaense foram as regiões que receberam as maiores montas, com valores que superaram os 600 mm neste mês (Figura 3).

Figura 3: Gráfico de barras com valores de chuva observados em outubro de 2023 e a média histórica.

Foi na Região Metropolitana de Curitiba, contudo, onde a precipitação excedeu em maior magnitude as médias históricas, com volumes 241,0, 252,0 e 265,0 % acima dos valores históricos em Curitiba, Morretes e Fazenda Rio Grande, respectivamente (Figura 4). Em União da Vitória, um dos municípios mais castigados por inundações e alagamentos nesta primavera, choveu o suficiente para bater o recorde de 2008 para o mês em 34,0 %, alcançando os 619,8 mm. Este valor foi superior à média histórica – de 224,1 mm – em 277,0 %.

Figura 4: Gráfico de barras com valores de chuva observados em outubro de 2023 e a média histórica.

Houve registro de recordes de acumulado de chuva em todos os meses do trimestre, principalmente em outubro e novembro. Em outubro, 24 das 48 estações do SIMEPAR analisadas registraram os maiores valores de toda a série histórica. Confira a seguir:

Tabela 1: Dados de acumulados de chuva para setembro, outubro e novembro de 2023.

Em relação às temperaturas, estas foram observadas acima da média em todo território paranaense, com destaque para as áreas central e norte que apresentaram valores, em média, 1,5 °C de anomalia positiva (Figura 5). A atuação de massas de ar excepcionalmente quentes sobre o Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, bem como a atuação de bloqueios atmosféricos, foram os principais responsáveis pelas altas temperaturas e ondas de calor.

Figura 5: Mapa de anomalia de temperatura média para o Paraná considerando os meses de setembro a novembro de 2023.

Setembro, o mês mais quente do trimestre, apresentou anomalias positivas em todas as regiões, com valores que chegaram a 3,5 e 4 °C acima da média, nas áreas norte e central do Paraná, respectivamente (Figura 6). Curitiba registrou anomalia positiva de 2,7 °C.

Figura 6: Mapa de anomalia de temperatura para o Paraná considerando os meses de setembro a novembro de 2023.

Recordes de temperatura para toda a série histórica também foram batidos em novembro. Em Fazenda Rio Grande e Santo Antônio da Platina, as maiores temperaturas da série histórica das estações meteorológicas daqueles municípios foram observadas em novembro. As maiores temperaturas de 2023 foram registradas em outras várias regiões, conforme é possível observar na Tabela 2.

Tabela 2: Dados de temperatura máxima para setembro e novembro de 2023. Os dados em vermelho são os recordes para o ano de 2023.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *