Dia da Mulher – Produtora é exemplo da persistência feminina no campo

No interior de Fernandes Pinheiro, às margens da BR 277, uma mulher é o exemplo da força da mulher que vive e trabalha no campo. Maria Helena Cotovicz (56 anos), atua na pecuária leiteira há 34 anos, mas há pouco mais de uma década, precisou mergulhar de vez na atividade.

“Fazem 11 anos que assumi a frente do trabalho, após o falecimento do meu esposo. No início, como mulher, encontrei muitas dificuldades em gerir a rotina da propriedade. Mesmo trabalhando sempre junto com o falecido esposo na lida diária da leitaria, não estava a par do conhecimento administrativo dos animais, plantações e financeiro”, contou ao AgroRegional.

Maria Helena com as filhas Mariane e Loriane e o filho André Vitor – Crédito: Arquivo pessoal

Hoje, após  anos de dedicação e conhecimento adquirido, Maria Helena tem uma boa estrutura montada para os animais. “Contamos com um barracão com sala de ordenha e pista de trato, que abriga uma capacidade de 60 animais que ficam confinados com todo o conforto como água, comida à vontade, ventiladores e uma boa cama de serragem”, explica.

Atualmente, são 58 animais em lactação e uma produção de cerca de 1.800 litros por dia. A rotina na propriedade começa bem cedo, às 5 horas com a ordenha dos animais.

Em seguida, as vacas recebem alimentação, como ração, sal, tamponantes e farelo de soja, de forma balanceada e acompanhada pelo nutricionista da cooperativa para qual Maria Helena entrega o leite. Depois disso, elas passam o dia comendo e descansando no compost barn (cama de serragem).  À tarde, às 16 horas, inicia a nova ordenha de leite e se encerra com a rotina de alimentação novamente.

APOIO

Mesmo já gerenciando a propriedade há anos, a produtora conta com a ajuda do filho André Vitor, braço direito na organização e na rotina de trabalho. Ainda, nos finais de semana e feriados, as filhas Mariane e Loriane, e os genros, ajudam nos trabalhos quando podem.

“Durante a semana contamos com o apoio de um funcionário mensal. Na época de plantio de milho para silagem conto com ajuda de sobrinhos e na colheita contratamos pessoas por dia para ajudar no armazenamento da silagem”, pontua Maria.

A atividade leiteira é a fonte de renda da propriedade e para a produtora, foi ela que a  possibilitou proporcionar conforto para a família. “E através do amor pelos animais, pude aprender sobre a administração pecuária, conhecer novas pessoas e adquirir muitos conhecimentos, os quais não teria se tivesse desistido da propriedade após o falecimento do esposo”, destacou.

Com a experiência de quem cuida da casa, família e produção, Maria Helena afirma que o papel da mulher é importante para a manutenção das famílias na zona rural. “Temos um olhar mais sensível para identificar e agilizar novas possibilidades de trabalho, facilitando a rotina da propriedade. Apesar das dificuldades e preconceitos ainda existentes, as mulheres têm conseguido expressar opiniões e ganhar mais espaço na sociedade. Sempre com muita fé em Deus, força de vontade e determinação, nós mulheres conquistamos reconhecimento e autonomia, sem falar na autoestima de saber que você venceu”, finaliza a produtora.

Texto: Daiara Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *