Produtor de Rebouças comenta sobre trabalho no campo

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de Rebouças em 2022 foi de R$635.475.539,27, com 54,55% deste valor correspondente às três principais culturas, a soja de primeira safra (33,78%) e de segunda (9,48%) e fumo (11,29%), números que mostram a importância da agricultura no município.

O agricultor Jacinto Adamante é um dos produtores de Rebouças que diariamente está na lavoura, contribuindo para manutenção do setor como ponto essencial da economia local. “Planto soja, milho e feijão, mas nesse ano eu vou fazer um plantio de soja para depois fazer plantio de feijão, da safrinha no caso”, comentou ao AgroRegional.

Apesar de morar na área urbana, a vida de Jacinto é dedicada à agricultura, atividade que ele sempre exerceu durante toda a vida. O produtor conta que planta em diferentes regiões do município, sendo algumas áreas alugadas. Ele também destaca que nos últimos anos tem tido uma média boa de produção, mesmo tendo enfrentado problemas com ataque de esclerotina na soja após um período de muita chuva no ano passado.

“A soja estava viçosa e em partes da lavoura estava povoado demais. Eu fiz uma prevenção, mas na verdade não adiantou muito Não foi em todas as áreas, mas teve lugar que atacou bastante. E isso deu uma quebra razoável de produção. Mas mesmo assim foi boa”, explicou o produtor.

O agricultor também destacou como sua vida na agricultura tem mudado, principalmente em questão de máquinas que ajudam o produtor no trabalho no campo. “Nós trabalhávamos braçalmente, agora mudou. A gente só trabalha com maquinário, tudo cabinado”, disse, reiterando que atualmente um dos principais desafios dos agricultores é depender de situações que ele não pode controlar. “Hoje a gente sofre porque tem muita oscilação de tempo, de preço, é um um serviço arriscado. Como pode dar bem, como não pode não dar tão bem. Esse ano passado deu boa produção, mas o preço judiou de nós”.

REBOUÇAS

Além do fumo e da soja, outras culturas tiveram grande participação no VBP municipal de 2022. No ranking dos maiores valores, aparecem o feijão de primeira safra com 5,07% de participação no total gerado pelo agro no município, o suíno para corte com 4,33%, o trigo com 3,83% e o milho de segunda safra com 3,60%. A pecuária de leite (3,26%), a erva-mate (3,01%) e o milho de primeira safra (2,27%) também estão entre os destaques.

Envolvido na agricultura desde sempre, Jacinto entende que a região tem grande potencial para a atividade agrícola e que as culturas da soja, milho, feijão e do fumo são essenciais para movimentar a cidade de Rebouças. “Isso indo bem, o resto vai bem também. É forte”, salientou e afirmou que para ele a agricultura é tudo.

“A gente faz o melhor para produzir melhor, às vezes tem esses riscos. Mas eu acho que a agricultura para nós é tudo, se a gente não caprichar, não evoluir, não vai ficar no campo porque hoje os riscos, os custo é caro e a produção tem que dar bem e saber negociar”, apontou.

*Daiara Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *